1984; George Orwell

Literatura universal contemporânea. Novela. Estado totalitario. Grande Irmão. Biografia. Argumento. Personagens

  • Enviado por: Ioseba Amatriain Losa
  • País: Espanha Espanha
  • 6 páginas
publicidad
publicidad

ANÁLISE DA OBRA 1984 DE GEORGE ORWELL.

1. ANÁLISE DO ARGUMENTO.

A novela titulada “1984”, escrita por George Orwell, oferece uma descrição, em um mundo futuro, em um estado totalitario, a vida de pessoas que perderam toda sua intimidem, seu pensamento e sentimento, dominados e controlados baixo a vigilância constante da figura divina do “Grande Irmão”, que o vê, o escuta e o sabe tudo. Ninguém pode escapar de sua obrigatória tutela, nem sequer Winston Smith, o protagonista da novela.

Winston, é um membro do Partido Exterior que trabalha no departamento de Registro do ministério da Verdade se dedicando a rescribir os documentos a favor do Partido. Está na contramão das idéias do mesmo; acha que as coisas deveram ser diferentes mas ninguém o recorda e deseja voltar a essa época que representa para ele uma saída à vida que leva.

Passam poucos dias quando uma camarada sua que trabalha no departamento de novela (outra seção do ministério da Verdade), lhe faz saber seu amor e, a costas do Partido, surge entre eles um relacionamento. Winston aluga uma habitação em um bairro “prole” e converte-o em uma espécie de recanto privado que lhe dá novas esperanças. Meses após o começo de seus amores com Julia, a mulher, é ali onde se reúnem assiduamente ainda se arriscando a ser descobertos.

Mais tarde, contata com Ou´Brien, um membro do Partido interior, o qual achava que compartilhava sua opinião. É ele o que faz crer na existência da Irmandade (uma espécie de organização na contramão do governo atual e que tão só é um rumor entre as “proles”) e em sua integração nela.

Uma tarde, na habitação do bairro baixo chega a polícia, e descobre-se uma telepantalla embaixo de um quadro na habitação. O homem que lha tinha alugado era membro da polícia do Pensamento. Encarceram-lhe a ele e a Julia levando ao ministério do Amor. Ali torturam-lhe tanto física como psicologicamente até que se rende ante Ou´Brien (descobrindo que é ali onde trabalha) e ama realmente ao “Grande Irmão”, tendo traído a Julia e desterrando todas suas idéias, aceitando, em seu local, as do Partido.

Após deixam livre, mas ele já sabe que o único que faz é esperar a que a morte lhe chegue em silêncio, e então será como tantos outros... nunca existirá.

2. DESCRIÇÃO DE TRÊS PERSONAGENS (PSICOLOGIA, COMPORTAMENTO...).

Ou´Brien. É membro do INGSOC (líderes do governo totalitario). Vive com todo luxo, podendo desligar seus telepantallas (tem intimidem) e consome alimentos e objetos que para as demais pessoas estão quase proibidas e que só podem ser conseguido no mercado negro; tais como o fumo, o chocolate, etc. Possui graças ao doblepensar suas próprias idéias e pertence ao grupo mais aventajado econômica e intelectualmente.

Seu comportamento na novela parece-me deplorable embora entendo-o. Ao princípio tenta conseguir a confiança de Winston mentindo-lhe, dizendo-lhe que a Irmandade existe, que é membro dela e que tem a oportunidade de integrar na organização. Quando já a consegue, com o apoio do senhor Charrington o pára e lhe tortura física e psicologicamente até que aceita e ama ao partido.

Entendo sua postura, já que é uma pessoa que está às ordens do Partido e pertence a ele, por tanto, ao estar “cego” ante outros ideais ou comportamentos que não são os próprios do Partido, faz todo o possível por acabar com eles, e daí seu comportamento com Winston.

Senhor Charrington. É um homem de idade avançada, amável e simpático, e que regenta uma loja de antiguidades na cidade. Em um dia, Winston entra em sua loja por acaso, e surge uma pequena amizade entre eles. O senhor Charrington diz-lhe que tem uma habitação que não usa e que poderá lhe servir a Winston, já que este estava buscando um local tranquilo para as citas com Julia. Quando levavam uma boa temporada frequentando a habitação, em um dia, aparece a polícia e os pára. O senhor Charrington era um espião do partido e tinha-os delatado, e como prova pôs uma telepantalla na habitação.

A postura do senhor Charrington é compreensível, já que é uma pessoa que está totalmente influenciada pelo Partido e suas idéias, e o único que faz é o que a ele lhe parece o correto, que é lutar contra as pessoas que podem boicotar ao Partido do “Grande Irmão”.

Julia. Odeia ao Partido, não entende (nem quer entender) a situação do país, ao que não vê solução possível. Mostra-se indiferente ante as injustiças e desigualdades que provoca o Estado, só tenta sobreviver sem lhe importar outras pessoas.

Com respeito a seu comportamento com os homens e em especial com Winston, apesar de pertencer a uma une anti-sex e parecer uma garota virgem e puritana, a primeira vista poderia parecer que atua assim por ser uma vividora e que utiliza aos homens só para satisfazer seus desejos sexuais. Acho que o verdadeiro motivo, além do desfrute, é, já que o partido impõe uma rígida conduta entre sexos, utilizando o sexo como método de reprodução e como obrigação sem sentimentos, o revelar contra o Partido. Ela diz que fazia com Winston o mesmo que com muitos outros, e que não se importaria seguir o fazendo até ser parada. Este é um conceito que em nossa sociedade, e não digamos na novela, está mau visto, por isso acho que esta conduta está condicionada pelo ódio ao partido e não pelo que possa lhe satisfazer esta conduta.

Ao final da novela, não se sabe que ocorre com ela já que não se fala de sua situação. Só lha nomeia quando Ou´Brien lhe diz a Winston que ela lhe traiu, já que lhe contou a Ou´Brien o ocorrido entre eles dois, entre Winston e Julia.

3. DESCRIÇÃO DETALHADA DE UMA PERSONAGEM.

WINSTON.

É a personagem principal, uma pessoa otimista, singela, trabalhadora e sentimental. Desconfia do Partido e acha que tudo é uma grande mentira, mas por suposto não o manifesta. Por isso escreve em seu diário, secretamente, onde plasme confusas e diversas idéias que depois serviriam para o delatar quando a polícia o pára. Winston pensa que serão as proles quem se revelarão derrocando ao Partido, acha que o povo proletario tem a força necessária, já que são o 85% da população, mas que não é consciente de sua força.

Winston vê-se apoiado em suas idéias quando conhece a Julia, e acha que não tudo está perdido, vê em Julia a uma aliada que pode lhe ajudar a buscar uma solução para derrotar ao “Grande Irmão”. Mais tarde, conhece a Ou´Brien, no que põe toda sua confiança, já que lhe diz que é membro da Irmandade e lhe dá a oportunidade de se integrar nela.

Uma tarde, a polícia prende-lhe e dá-se conta de que Ou´Brien e o senhor Charrington lhe traíram, já que punha toda sua confiança neles e estes são aliados do Partido. Após muito tempo recebendo toda classe de torturas físicas e psíquicas provenientes do próprio Ou´Brien, é posto em liberdade, se lhe curam as feridas e se lhe permite uma vida em certa forma holgada, embora a morte pode assaltar em qualquer momento. Ao final, o Partido consegue seu propósito e Winston acaba amando ao “Grande Irmão” e ao INGSOC.

4. REFLEXÃO PESSOAL.

Por uma parte o livro pareceu-me muito interessante, já que oferece uma visão de uma sociedade apocalíptica, mostrando que o poder (desgraçadamente) sempre vence. Na contramão, o livro está escrito, em alguma parte de uma forma um tanto pesada, sobretudo na parte em que se lê o livro de Golstein, ademais não é o gênero que mais gosto. De modo geral ficou-me uma boa idéia do livro, já que está bem pensado e muito bem escrito, além de ser muito detalhado.

A principal idéia que me transmitiu o livro é o valor da liberdade, me fazendo ver o preciosa que é. Dito objetivo esta camuflado depois da luta de um homem, por tentar mudar as coisas e recuperar seu direito livremente, a recobrar sua dignidade. Outro aspeto que me chamou a atenção é a impunidade com a que falsificam a história, mas em especial, a questão de que, com isso, transformam a mentira em verdade. As coisas passadas foram de uma maneira e não é possível outra, por tanto qualquer mudança sobre o passado pode ser qualificado de mentira. Mas se os documentos são modificados e a gente acha-os, passa a ser verdade, porque não é possível demonstrar o contrário. Então, a verdade é relativa?, quiçá, o passado tal e como o têm ensañado não existe e estamos achando uma mentira...

O conceito de sociedade que transmite o livro é meu conceito de anti-sociedade. Em 1984 “” a sociedade está dividida e organizada de uma maneira hierárquica, as pessoas a mais baixo nível são as proles (85% da população); dentro deste grupo, os mais pobres vivem nas piores condições imaginables, sem direitos, sem dinheiro nem comida e em umas condições de saúde e culturais péssimas. A figura do “Grande Irmão” aparece como um Deus, uma pessoa amada e respeitada por todos. Por isso todo quanto diz é verdadeiro e se ele diz que dois e dois são cinco a gente o aceita, é o fanatismo levado ao limite, que pode que esteja ocorrendo em algumas culturas atuais. Em países com ditaduras ou subdesarrollados dão-se muitas caraterísticas da novela, como a existência de grupos que controlam à maioria, gente que vive com uns mínimos direitos humanos ou nulos, onde a imprensa é controlada e se pratica a tortura à população civil..., situações que se dão nos livros mas também na vida real, antes e agora.

É um livro que dá que pensar a respeito da sociedade atual, da sorte que temos, dos privilégios e direitos que desgraçadamente não todas as pessoas têm.

É mais provável que em países onde os direitos humanos não sejam respeitados e se viva em uma situação similar ocorra o escrito na novela, mas em um passado não muito longínquo, em Espanha, durante a ditadura franquista, também se utilizava a censura e atividades similares às relatadas no livro. A novela leva esta proposta até um ponto extremo que não acho, nem espero, que se dê nunca na realidade.

5. RESENHA BIOGRÁFICA DO AUTOR.

George Orwell, seudónimo de Eric Arthur Blair (1903-1950), escritor britânico que ofereceu um brilhante e apasionado retrato de sua vida e sua época. Orwell nasceu em Motihari, Índia, e estudou no Eton College da Inglaterra graças a uma bolsa. Prestou seus serviços na Polícia Imperial Índia destinado em Birmania de 1922 a 1927. Doente e lutando por abrir-se caminho como escritor, viveu durante vários anos na pobreza, primeiro em Paris e mais tarde em Londres. Como resultado desta experiência escreveu um primeiro livro Sem branca em Paris e Londres (1933), onde relata as sórdidas condições de vida das gentes sem lar. O autor descreve sua experiência bélica durante a Guerra Civil espanhola em Homenagem a Catalunha (1938), um dos relatos mais comoventes escritos sobre esta guerra e no que se faz responsável ao Partido Comunista Espanhol e à União Soviética da destruição do anarquismo espanhol. Sua condenação à sociedade totalitaria fica plasmada em uma fábula de caráter alegórico, Rebelião na granja (1945), baseada na traição de Stalin à Revolução Russa, bem como na novela analisada neste trabalho 1984 (1949). Esta última oferece uma descrição aterradora da vida baixo a vigilância constante do “Grande Irmão”. Cabe citar, a novela Que voe a aspidistra (1936) e Disparando ao elefante e outros ensaios (1950), ambas consideradas modelos de prosa descritiva, e Assim foram as alegrias (1953), lembrança de seus difíceis anos de estudante. Em 1968 publicaram-se seus Ensaios Completos: Jornalismo e Cartas. Orwell morreu de tuberculose em janeiro de 1950.

6. O AMOR TAL COMO O CONCEBEM NESTA SOCIEDADE RELATADA.

O Partido do “Grande Irmão”, quem governa na sociedade da novela, entende como amor a lealdade e paixão ao partido, não apoia os sentimentos das pessoas, tenta que não se produzam, o amor entre o homem e a mulher, os signos de amizade, nem também não o carinho e o amor que é inevitável que exista entre um pai e um filho. O partido tenta que o único amor que exista, seja dirigido para ele mesmo. Por exemplo, um feito com que chama-me a atenção da novela é o ministério do Amor, que casualmente se ocupa das leis e castigos, em realidade, se trata de um edifício onde se realizam torturas para fazer com que a gente ame e creia no partido, ou onde os matam definitivamente. Tem um aspeto amenazador e está muito bem protegido, consegue que a gente se veja ameaçada e tenha uma grande pergunta em torno deste ministério (ninguém sabe que ocorre exatamente no ministério do Amor, já que os que entram, normalmente não voltam a sair).

O partido atenta contra a natureza humana proibindo os sentimentos, mas não só não aceita os sentimentos, senão que isto se traspassa aos terrenos sexual. Os relacionamentos sexuais, o sexo por prazer estava estritamente proibido, só esse aceitado como ação reproductora, ero mesmo assim era reconhecido como uma tarefa molesta.

7. VISÃO DA JUSTIÇA E DA MORTE NAS PERSONAGENS DA NOVELA.

Na novela, o partido, e com ele Ou´Brien (membro do mesmo), têm uma visão muito especial da justiça e da morte na novela. No Ministério do amor, que é quem se ocupa das leis e dos castigos, à gente lhes torturam, às vezes até morrer. Para torturar às pessoas utilizam-se aparelhos especiais ou métodos mais tradicionais como os punhos de aço, etc., além de uma tortura psicológica que desmorona ao torturado e o faz ver como um assassino sem escrúpulos. O ministério efetua também umas purgas do partido e elimina a pessoas sistematicamente, eles o chamam “vaporizar”, e se fazer ver e achar que a pessoa nunca existiu. Quando o Partido “vaporiza” a alguém, uma coisa que me chamou a atenção é que, à gente lhe dá igual, esta proibida de todo sentimento, a cada pessoa se preocupa de si mesma.

Com respeito às personagens, a Julia, não se importa com a morte, sua filosofia de vida consiste em sobreviver “”, como ela diz, não lhe tem medo à morte, vive o presente são nenhum temor ao que possa ocorrer no futuro. Winston, a personagem principal, não despreza tanto à morte como Julia, mas sabe que em algum dia lhe prenderão por tentar ir contra o partido, que é o que ocorre na novela, embora não chega a morrer após todo tipo de torturas físicas e psíquicas.

8. BUSCA INFORMAÇÃO SOBRE A IDEOLOGIA QUE LE PAREÇA QUE SE ACERCA MAIS À DO SISTEMA POLÍTICO DA NOVELA LHE VÃO SUAS CARATERÍSTICAS?QUE OPINA?.

Sem nenhuma dúvida, as ideologias que mais se acercam ou que refletem o sistema político da novela são o governo autoritários e ditatoriais. O autoritarismo é um sistema de Governo onde todas as atividades sociais, políticas, econômicas, intelectuais, culturais e espirituais (na novela recolhidos no Ministério da Verdade, da Paz e do Amor) se acham supeditadas aos fins dos dirigentes e da ideologia inspiradora do Estado. Ao igual que na novela 8na figura do “Grande Irmão”), o Estado autoritário está dirigido por um partido político, que encarna uma ideologia que diz ter a autoridade universal e não permite nenhuma discrepância de lealdade ou consciência.

Em um regime totalitario, os membros do partido no poder convertem-se na elite da nação. A sociedade está sujeita a uma organização hierárquica na que a cada indivíduo é responsável ante outro que ostenta um posto de maior autoridade com a única exceção do chefe supremo (“Grande Irmão”), que não rende contas a ninguém. Todos os agrupamentos sociais não governamentais (como poderia ser a “Irmandade” na novela) são destruídas em sua totalidade ou coordenadas para que cumpram os fins do partido e do Estado.

Na novela as notícias, espetáculos, educação e belas artes estavam instaladas no Ministério da Verdade. Graças ao monopólio dos meios de comunicação, o partido no poder e o governo acham-se em posse de todos os canais que o povo utiliza para receber informação, conselho e orientação. Todos os jornais, revistas, livros, além da rádio, a televisão, o teatro e o cinema estão controlados e dirigidos desde o poder. Em todos os meios de comunicação se impõe a linha do partido, a interpretação que o partido faz dos acontecimentos, por médio da censura.

Na sociedade da novela, para controlar às pessoas existem múltiplas coisas como as telepantallas, a polícia do pensamento, etc. Esta última poderia ser comparado com a polícia secreta dos governos autocráticos. A polícia secreta dos governos totalitarios emprega as teorias e técnicas de detecção científica do crime e da psicologia moderna. Se vale de instituições e elementos como o campo de concentração, os julgamentos manipulados e as confissões públicas para estender o temor por todo o Estado no que rege. Um dos perigos inerentes ao sistema totalitario é a possibilidade de que a própria polícia secreta se faça com o controle interno do partido.

O controle da economia permite ao Estado autoritário explodir a sua população em ara da conquista de territórios estrangeiros e a revolução mundial. O tipo totalitario de economia possibilita ao aparelho de Estado o controle dos trabalhadores e fá-los dependentes do governo. Sem permissão de trabalho ninguém pode obter um emprego e pode ser retirado por ações tais como a não conformidade com más condições de trabalho. Por tudo isto os trabalhadores de um regime totalitario recebem às vezes o nome de escravos do Estado. Isto pode ser transladado à novela no trabalho que faz Winston no Ministério da Verdade.

Em minha opinião, esta novela, dá uma visão futurista do que pode acontecer, pretendendo avisar que o egoísmo e intolerância do ser humano é grandísima, só pelo domínio para os demais. Quer evitar que estoas sistemas que já controlam as leis, o comércio, os empregos, etc., acabem por controlar à vida privada da gente e inclusive seus pensamentos. Acho que o mundo criado por Orwell é horrível e inimaginable na vida real e quotidiana. O não poder desfrutar da liberdade, já não só de ações, senão de pensamentos, é algo que temos de evitar que aconteça a toda costa. A cada pessoa tem uma moral, uma forma de pensar, uma forma de vida determinada, e não se lhe pode obrigar à mudar, já que não só se está violando o direito à intimidem senão o direito à liberdade de expressão, de moral, etc. Dou-lhe graças a Orwell por fazer-me ver o futuro possível do presente, embora oxalá equivoque-se.

9. BUSCA UM MOMENTO HISTÓRICO EM QUALQUER PAÍS DO MUNDO NO QUE SE TENHA PRODUZIDO ALGUMA SITUAÇÃO SEMELHANTE À QUE SE VIVE NA OBRA ENTRE A IRMANDADE E O GOVERNO. REFLEXÃO SOBRE ELA E SACA TUAS CONCLUSÕES.

Não encontrei uma associação oculta que esteja diretamente enfrentada ao Governo mas existem muitos agrupamentos com diferentes ideologias, que pela censura ou intolerância dos locais onde habitam seus seguidores têm que se esconder. Uma destas associações são os francmasones.

A Francmasonería é um conceito que agrupa às diferentes organizações e associações que ao longo da história se caraterizaram por adotar o princípio de fraternidad mútua entre seus iniciados, pela profusión de símbolos identificadores de conteúdo só reconhecível para seus membros, pró princípios racionalistas e promotores da paz, a justiça e a caridade, e por sua estruturação em pequenos grupos denominados “logias” que determinaram sua condição de sociedades secretas.

O grêmio de masones medievais tinha estado limitado aos pedreiros, mas começaram a admitir como membros a homens ricos ou com verdadeiro nível social. Estes grêmios converteram-se gradualmente em sociedades fiéis #lhe a uns ideais generais, como a fraternidad, a igualdade e a paz, e suas reuniões se voltaram mais acontecimentos sociais que reuniões de negócios. Um dos princípios básicos das ordens masónicas em todo mundo de fala inglesa foi que a religião é um assunto exclusivo do indivíduo. A oposição que sofrem por parte da Igreja católica existiu porque a masonería, com seus princípios obrigatórios e sua essência religiosa, usurpou as prerrogativas da Igreja. Atualmente, o número de membros no mundo excede os 6 milhões.

Na maioria dos países de fala inglesa o rasgo caritativo e protetor da fraternidad foi responsável pela fundação de lares masónicos para a atenção dos idosos precisados e suas viúvas, orfanatos e escolas para os filhos dos membros. O masón é consciente de que suas obrigações fraternas de ajudar aos membros devem ser subordinadas à obrigação que deve a Deus, seu país e sua família, com pleno reconhecimento de seus deveres para com a humanidade.

A oposição às sociedades francmasónicas teve duas direções: religiosa, por parte da Igreja católica, e política. Em 1821, William Morgan, um masón que ameaçava com publicar os segredos masones e do que se supôs era vítima dos masones, surgiu um movimento de protesto nos estados do este e centro de EE.UU. Em 1933, Hitler fez recair sobre os masones a responsabilidade de diversos atividades subversivas, incluídos todos os incidentes que levaram à I Guerra Mundial. Ainda não concluída a Guerra Civil Espanhola, se declarou, em Espanha, delituosa a inscrição a uma logia masónica. Pouco a pouco, depois de quase quarenta anos de perseguição e exílio, a Masonería Espanhola vai implantando-se em todo o território. Na atualidade são quatro as obediências com presença nacional:

  • O Grande Oriente Espanhol.

  • A Grande Logia de Espanha.

  • A Grande Logia Simbólica Espanhola e a Federação Espanhola do Direito Humano, enquadradas as duas na Masonería liberal.

Entre os membros notáveis da francmasonería encontram-se o compositor Wolfgang Amadeus Mozart, o escritor Liev Tolstoi e o poeta espanhol José de Espronceda.

Minha opinião sobre as sociedades secretas é que se existem, quer dizer que desgraçadamente há um governo intolerante e que não respeita diferentes modos de vida e pensamento desde que respeitem a dignidade da pessoa. Qualquer sociedade ou organização deve ser respeitado, desde que ditas sociedades respeitem igualmente às diferentes ideologias que existem no mundo e respeitem os direitos humanos.

No caso dos masones, não me parece justo que tivessem que estar ocultos e seus sócios perseguidos e ilegalizados. Acho que, deixando a parte o sentimento religiosa, têm uns princípios como a paz e a justiça, que me parecem muito positivos e não entendo como estiveram perseguidos, ainda bem que atualmente evoluímos e somos algo mais tolerantes, embora seguem existindo muitas organizações ou ideologias marginadas e não respeita por todo mundo.

10. APÓS O QUE TRABALHASTE A OBRA FAÇA UM RELACIONAMENTO DOS VALORES QUE DOMINAM ESSA SOCIEDADE E ENCONTRA UM SISTEMA POLÍTICO QUE LE PAREÇA ALTERNATIVO A ELA RAZOANDO TODO QUANTO TENHA DE DIFERENÇA.

As emoções que predominam são o ódio, a ira, a desconfiança, fúria, etc., todas elas dirigidas para o inimigo e o amor, admiração confiança, etc., para o “Grande Irmão”.

A maioria da população perdeu os sentimentos e valores tradicionais. A gente já não se estremece ao ver ahorcar a um homem, desfrutam o vendo. Os meninos são educados com os ódios para que sentam ódio, desta maneira as pessoas vão perdendo sentimentos como a compaixão ou a piedade. Na novela laços tão importantes como a família ficam totalmente anulados já que se perdem os laços de afeto e amor, inclusive um filho delata a seu pai e o condena a morte. O valor de sociedade é hierárquico, está dividida em três grandes classes. A classe mais baixa estava constituída pelas “proles” (85% da população), que subsistiam em extrema pobreza, suas moradas eram mediocres onde existiam grandes focos de doença e inclusive pragas de animais que chegavam a devorar a meninos. Ao estar imersos na pobreza não tentavam derrocar ao poder, bastante tinham com sobreviver e desta forma o Partido os tinha controlados.

Nestes momentos, atualmente, não encontro um sistema político com o que esteja de acordo totalmente, e vou tentar reunir todos os valores que me parecem positivos para criar uma sociedade na que gostaria de viver.

Para começar não teria políticos, nem chefes de governo, ministros, etc., já que muitas vezes parecem-me inúteis, e a cada comunidade elegeria um porta-voz que transmitisse, em assembleia, diretamente os sentimentos ou sensações da própria comunidade e a cada um de seus membros. Para eleger a ditos porta-vozes se levaria a cabo um sufragio universal, e poderia ser destituído pela mesma forma. A cada vez que surgisse um problema importante, uma aprovação de leis, etc., se realizaria um referendo à população, já que é ela a que deve eleger as leis que devem lhes reger.

No terreno econômico, os principais recursos e meios de produção pertenceriam à comunidade e não aos diferentes indivíduos, satisfazendo a todos os membros, permitindo que os recursos natureza sejam aproveitados sem excesso. Criaria um salário mínimo razoável olhando as necessidades da cada pessoa, um máximo de horas de trabalho e idade para tentar eliminar a exploração trabalhista, infantil, etc.

A sociedade seria uma comunidade sem classes, sem privilégios nem luxos individuais, para assim satisfazer as necessidades da cada indivíduo. Eliminaria as barreiras ideológicas ou fronteiras, onde os movimentos de pessoas são necessidade de ter um tipo de papéis para poder trabalhar ou simplesmente viver nos diferentes estados, e assim eliminar um sentimento negativo como é a xenofobia. Criaria uma sociedade onde a liberdade, a tolerância<, o respeito, a multiculturalidad ou mestiçagem seriam valores comuns em todas as pessoas, onde todos fôssemos iguais e onde todos tenhamos os mesmos direitos e obrigações.

Atualmente, não seja se poderia ser estabelecido este tipo de sociedades mas como dizem: “as utopias são as que fazem com que siga caminhando”.

11. QUE SIMBOLIZA O “GRANDE IRMÃO”?HÁ PARALELISMOS SOCIAIS NA ATUALIDADE QUE VOCÊ CONHEÇA?.

O “Grande Irmão” é a representação antropológica do Partido, a encarnación do Ingsoc e seu máximo representante. É uma pessoa que nem sequer se sabe se existe pois ninguém o viu nunca a não ser em cartazes. Sua figura é quase divina e é amado e respeitado por todos, ou pelo menos é obrigatório aparentarlo. Todo triunfo, descoberta científica, toda sabedoria, felicidade, virtude, vitória sobre o inimigo, se considera que procede diretamente do Grande Irmão. Sua função é atuar como ponto de olhe pára todo seu amor, medo ou respeito, emoções que se sentem com muita mais facilidade para um indivíduo que para uma organização, pois é mais fácil amar a uma pessoa que a toda uma organização. Ao partido interessa-lhe que as emoções de amor, respeito ou medo sejam só e exclusivamente para o Grande Irmão, e para o conseguir as pessoas têm uma educação dirigida a este fim, desde que nascem, chegando inclusive a não sentir amor pela própria família.

Na atualidade, poderia ser encontrado algum paralelismo entre o “Grande Irmão”, na novela, e os deuses ou deus das diferentes religiões que existem no mundo, os diferentes seres divinos que lhe homem foi criando durante a história da Humanidade. Ao igual que na novela, a cada pessoa ao nascer, o faz em uma determinada cultura que tem uma determinada religião, e a família e a sociedade de modo geral, vão educando a essa pessoa na fé e o Deus da religião que preside essa sociedade. A diferença está em que atualmente nenhum indivíduo é “obrigado”, como ocorre na novela, a achar e venerar a um ser, embora é verdade que muitas pessoas crentes ou dando a entender que crêem em uma determinada religião, quando não é verdade.

Também existem, embora em menor medida, pessoas que estão ou foram divinizadas, já sejam líderes de alguma seita ou simples artistas (cantores, atores, atrizes), e que chegam a ter centos ou milhares de seguidores que são capazes de se suicidar em massa ou individualmente por crenças, na maior parte, ilógicas, como o ocorrido alguma vez. Mas acho que estas pessoas que seguem sem lógica e radicalmente a uma pessoa ou organização não estão psicologicamente estabelece, acho que na maior parte dos casos lhes lavaram” o cérebro, como ocorrem em muitas seitas que existiram, existem e existirão e que se aproveitam de pessoas influenciables bem por natureza ou porque se encontram sumidas em depressões por algum problema que lhes aconteceu.