1984; George Orwell

Literatura universal contemporânea do século XX. Novela. Argumento. Personagens. Estrutura. Tema: Grande irmão

  • Enviado por: Hulk
  • País: Espanha Espanha
  • 9 páginas
publicidad
publicidad

ÍNDICE

  • Biografia do autor.

  • Circunstâncias históricas relevantes em que foi escrito.

  • Análise da época.

  • Resumo do conteúdo da obra.

  • Análise das idéias fundamentais do texto.

  • Aspetos filosóficos mas significativos.

  • Opinião pessoal.

  • BIOGRAFIA DO AUTOR

  • Orwell, George (1903-1950)

    Escritor britânico nascido em Motihari, Índia, seu verdadeiro nome é Eric Arthur Blair. Estudou no prestigioso Colégio de Eton. Entrou a fazer parte da Polícia Colonial, pelo que foi enviado a Birmania. Viajou a Espanha, e como resultado de suas vivências escreveu Homenagem a Catalunha.

    A novela que lhe deu fama mundial foi Rebelião na granja (1946), uma fábula protagonizada por animais, dura paródia da situação da União Soviética e as falhas do comunismo (desta obra é a famosa frase Todos somos iguais, mas uns mas iguais que outros, em inglês na novela original All animals are equal, but some animals are more equal than others).

    Sua última novela, 1984 (1949), é a descrição de um mundo futurista e totalitario, no que a máquina ganhou o terreno ao homem, se convertendo no Big Brother, o Grande Irmão omnipresente.

  • ANALISIS DA EPOCA.

  • CIRCUNSTÂNCIAS HISTORICAS RELEVANTES EM QUE FOI ESCRITO.

    “1984” foi escrito e editado em Londres, em 1950, em um ano antes da morte do autor. Em Madri editou-se no ano1970.

    Para pouco que terminava a II Guerra Mundial e os vencedores se dividiram em dois grandes grupos: Oriente e Occidente; cujas cabeças eram a União Soviética e os Estados Unidos.

    Em Occidente só América do Norte saía com uma economia em expansão e com ademais, o maior potencial bélico acrescentado pela posse de armas atômicas.

    Em pouco tempo os Soviéticos igualam o armamento norte-americano. O eslogan, a propaganda e as purgas foram os instrumentos que a burocracia soviética utilizo para levar a cabo seu programa.

    Como observação pessoal gostaria de dizer que cabe a pequena possibilidade de que Orwell se inspira para escrever “1984” em dito programa soviético.

    Desde 1945 (fim da II Guerra Mundial), as duas grandes potências tentam impor sua ideologia em diversos países.

    Durante o momento em que Orwell escreveu o livro, Grã-Bretanha se governava baixo um regime puramente socialista que contínuo mas suavemente até 1975, mas já em mãos de um partido conservador.

    A criação de 1984 “” contemplo o princípio da Guerra Fria, a qual começou aproximadamente no ano 1947.

  • RESUMO DO CONTEÚDO DA OBRA

  • ENQUADRAMENTO HISTORICO DO TEXTO:

    O mundo este dividido em três blocos ou estados totalitarios dirigidos em base a movimentos radicais que evoluíram do socialismo em meados do século XX, dando local a tendências opostas a este como Ingsoc na Oceania, Neovolchevismo em Eurasia e Adoración da morte na Ásia Oriental.

    Desde então, as três potências mantiveram-se em guerra permanente, aliando-se com umas ou outras, mas convencendo ao povo de que o inimigo atual o foi sempre, que representa o mau absoluto e por tanto, nunca foi nem será possível nenhum acordo com o (embora em realidade não fora assim). Ainda assim, não tinha nenhuma mudança territorial. A guerra é necessária para manter o sistema, destruindo os materiais, que, em paz, se tivessem empregado em melhorar as condições de vida das massas que se fariam mas inteligentes e perigosas para a perpetuación do mesmo.

    Situamo-nos no ano 1984 em Londres (Oceania), cidade mediocre salvo os quatro luxuosos ministérios que governam a cidade e o Estado: o ministério da Verdade (ocupa-se dos documentos escritos), o ministério da Paz (para os assuntos de guerra), o ministério do Amor (mantém a lei e a ordem) e o ministério da Abundância (economia).

    O Ingsoc reafirma seu poder desfazendo-se de toda prova de uma realidade diferente à sua. Destrói a história e obriga ao povo a achá-la e a doblepensar. Assim assassina o passado, já que este só sobrevive nos depoimentos escritos e na memória das pessoas.

    O partido canaliza os sentimentos das pessoas para o ódio ao inimigo e o amor ao grande irmão (o que conduz a uma cega obediência) e destrói todos os laços existentes entre o resto dos membros da instituição, laços entre homem e homem (amizade), entre homem e mulher (amor, desejo) e entre pais e filhos induzindo a estes desde pequenos a denunciar a seus maiores ao menor indício de crime mental provocando seu medo para eles.

    SUCESION DOS FATOS:

    O protagonista é Winston Smith, um membro do Partido Exterior que trabalha no departamento de Registro do ministério da Verdade se dedicando a reescribir os documentos a favor do Partido. Esta na contramão das idéias do mesmo; acha que as coisas deveram ser diferentes ninguém o recorda e deseja voltar a essa época que representa para o uma saída dessa miséria vida que leva. Pensa que as “proles” são os únicos que podem derrocar ao Ingsoc.

    Passam poucos dias quando uma camarada sua que trabalha no departamento de novela (outra seção do ministério da Verdade), lhe faz saber seu “amor” e a costas do Partido e seus princípios surge entre eles um relacionamento.

    Winston aluga uma habitação em um bairro “prole” e converte-o em uma espécie de recanto privado que lhe dá novas esperanças. Meses após o começo de seus amores com Julia, a mulher, é ali onde se reúnem assiduamente ainda se arriscando a ser descobertos.

    Mas tarde, contata com Ou´Brien, um membro do Partido interior, o qual achava que compartilhava sua opinião. É ele o que faz crer na existência da Irmandade (uma espécie de organização na contramão do governo atual e que tão só é um rumor entre as “proles”) e em sua integração nela.

    Uma tarde, na habitação do bairro baixo chega a polícia, e descobre-se uma telepantalla embaixo de um quadro. O homem que a tinha alugado era membro da polícia do Pensamento. Encarceram-lhe a ele e a Julia levando ao ministério do Amor.

    Ali torturam-lhe tanto física como psicologicamente até que se rende a Ou´Brien (descobrindo que é ali onde trabalha) e ama realmente ao Grande Irmão, tendo traído a Julia e desterrado todas suas idéias, aceitando, em seu local, as do Partido.

    Depois deixam-lhe livre, mas ele já sabe que o único que faz é esperar a que a morte lhe chegue em silêncio, de noite, e então será como tantos outros... nunca existirá.

  • ANALISIS DAS IDÉIAS FUNDAMENTAIS DO TEXTO.

  • ASPETOS FILOSOFICOS MAS SIGNIFICATIVOS.

    A principal idéia que quer nos transmitir o livro é o valor da liberdade nos fazendo ver o preciosa que é quando nos situa em uma sociedade na que proibida (não te dá conta do que tem até que o perde). Dito objetivo esta camuflado depois da luta de um homem, por tentar mudar as coisas e recuperar seu direito livremente, a recobrar sua dignidade.

    Outro aspeto que me chamou a atenção é a impunidade com a que falsificam a história, mas em especial, a questão de que, com isso, transformam a mentira em verdade. As coisas passadas foram de uma maneira e não é possível outra, por tanto qualquer tergiversación sobre o passado pode ser qualificada de mentira. Mas se os documentos são modificados e a gente acha-os, passa a ser verdade, porque não é possível demonstrar o contrário. Então A verdade é relativa?, quiçá, o passado tal e como o ensinaram não existe e estamos crendo em uma mentira...

    Pese ao trágico desvincule do livro, durante todo seu desenvolvimento, nunca risca de impossível um futuro diferente baseando no argumento de que as idéias não morrem nunca. Se é verdadeiro ou não esta por demonstrar, mas no caso de que seja, todo se reduzirá a que ideal fosse mas forte, isto é, ao que tivesse mas adeptos. No momento em que se narra o livro, é óbvio que as idéias de Winston não teriam a mas mínima oportunidade, mas se pudessem ser transmitidas, quem sabe se conseguissem em algum momento reunir o poder necessário para alçar com a vitória... e é que o ser humano tem de lutar por seguir sendo o que É.

  • OPINION PESSOAL.

  • Em resumo, o livro não esta mau já que quando termina do ler pensa que ainda bem que é uma novela totalmente fictícia.

    A obra é amena, ademais a linguagem utilizada por Orwell é bastante singelo. Admiro o talento do autor.

    Séria horrível viver em uma sociedade assim. Onde os laços que unem a umas pessoas e outras estão destruídos, sem amor, sem amizade... estamos vazios, deixamos de ser humanos, perdemos essa magia que nos faz nos sentir pessoas e que nos diferencia dos simples animais. E todo isso tem de se defender, temos que nos dar conta agora e não quando o achamos perdido.

    Bom em resumo o livro 1984 gostei de bastante e acho que isto que conta pode chegar a passar em algum dia próximo.


    Autor:

    Curso: