1984; George Orwell

Literatura universal contemporânea século XX. Narrativa e novela de pós-guerra. Grande Irmão. Repressão. Sentido comum

  • Enviado por: Eugenia
  • País: Argentina Argentina
  • 8 páginas
publicidad
publicidad

O mundo este dividido em três blocos ou estados totalitarios dirigidos em base a movimentos radicais que evoluíram do socialismo em meados do século XX, dando local a tendências opostas a este como Ingsoc na Oceania, Neovolchevismo em Eurasia e Adoración da morte na Ásia Oriental.

Desde então, as três potências mantiveram-se em guerra permanente, aliando-se com umas ou outras, mas convencendo ao povo de que o inimigo atual o foi sempre, que representa o mau absoluto e por tanto, nunca foi nem será possível nenhum acordo com o (embora em realidade não fora assim). Ainda assim, não tinha nenhuma mudança territorial. A guerra é necessária para manter o sistema, destruindo os materiais, que, em paz, se tivessem empregado em melhorar as condições de vida das massas que se fariam mas inteligentes e perigosas para a perpetuación do mesmo.

Situamo-nos no ano 1984 em Londres (Oceania), cidade mediocre salvo os quatro luxuosos ministérios que governam a cidade e o Estado: o ministério da Verdade (ocupa-se dos documentos escritos), o ministério da Paz (para os assuntos de guerra), o ministério do Amor (mantém a lei e a ordem) e o ministério da Abundância (economia).

O Ingsoc reafirma seu poder desfazendo-se de toda prova de uma realidade diferente à sua. Destrói a história e obriga ao povo a achá-la e a duplo pensar. Assim assassina o passado, já que este só sobrevive nos depoimentos escritos e na memória das pessoas.

O partido canaliza os sentimentos das pessoas para o ódio ao inimigo e o amor ao grande irmão (o que conduz a uma cega obediência) e destrói todos os laços existentes entre o resto dos membros da instituição, laços entre homem e homem (amizade), entre homem e mulher (amor, desejo) e entre pais e filhos induzindo a estes desde pequenos a denunciar a seus maiores ao menor indício de crime mental provocando seu medo para eles.

Dentro do partido encontram-se três lemas os quais são fundamentais para o controle dos indivíduos.

“A GUERRA É LA PAZ”: A guerra constante constitui o elemento de destruição da superproducción. É uma forma de pulverizar os materiais que na paz constante poderiam ser empregado para que as massas desfrutassem de excessivo conforto e, com isso, se fizessem à longa demasiado inteligentes. Em consequência, estas massas poderiam ser rebelado contra o partido, pondo em risco a permanência do mesmo no poder e a paz social. Disséssemos que a guerra, em última instância, não é uma luta contra outro exército, senão a da cada grupo dirigente contra seus próprios súbditos, com o fim de manter intata a estrutura da sociedade. Ademais, a guerra no sentido da novela, não afeta às fronteiras, pelo que uma guerra constante é uma paz continua.

Entre os súbditos do partido, a guerra supõe uma constante e considerável escassez de víveres e alguma que outra bomba foguete que pode causar uma vintena de vítimas

“A LIBERDADE É A ESCRAVATURA”: Esta consigna recolhe o significado real do colectivismo existente na sociedade. Disséssemos que todo indivíduo faz parte de um colectivismo social, do qual, é escravo. Em consequência, toda evolução dos indivíduos tem de ser coletiva. Ninguém pode evoluir individualmente, já que isto supõe signo de luta interna segundo o partido. 1-“O ser humano é derrotado sempre que esta só, sempre que é livre” Portanto, aqueles que tentam evoluir individualmente, como Winston e julia, são detentos para sua “reciclagem”.

Em definitiva, aquele que marcha individualmente antes ou cedo morrerá, enquanto aquele que marcha em massa será “imortal”.

1- ( Capitulo III, Terceira Parte)

“A IGNORÂNCIA É A FORÇA”: Como comentei anteriormente, o partido “altera” o passado com o objetivo de manter ignorantes à população sobre certos aspetos. A força do partido baseia-se na ignorância da sociedade sobre outros tipos de vidas, os quais, superam ao atual. Assim, os mantém ignorantes para que não conheçam outros modos de vida melhores e não possam ser rebelado contra o partido. Em consequência, salvaguardam o poder.

Na sociedade isto supõe o não conhecimento de outras formas de vida, as quais, poderiam ser melhores que as atuais.

Para fazer referência às respostas que tem a sociedade ante os ditames do poder há que ter em conta que estes reagem beneficiosamente aos ideais do partido, já que acham que estão felizes ao desconhecer como era antes a situação social (melhor situação que a atual), devido a uma espécie de lavagem de cabeça; e sabendo mais ainda que um simples acordem de um pensamento contradictorio, os levaria a seu próprio fim.

Há elementos que utiliza o Partido como estratégia para ter o domínio total da população, os quais se baseiam em Telepantallas que são placas oblongas de metal que fazem parte da superfície das paredes. Suas funções residem em vigiar e captar todo aquilo que se move a seu arredor e transmitir notícias, dados, etc. sobretudo aquilo que diz respeito ao partido e à sociedade de modo geral. Por tanto, dito instrumento fica relegado a um uso propagandístico por parte do partido. Ademais, serve de escape para a ira social, já que, através dos Dois minutos de Ódio, os quais se retransmitem por elas, a cada indivíduo desata sua ira, evitando assim, que dita ira possa ser desatado contra o partido.

A seguir apresentassem-se vários exemplos em onde pode ser reforçado o exposto:

2-“Com a voz da Telepantalla zumbándole nos ouvidos [...]”

3-“Na Telepantalla uma violenta voz feminina cantava uma canção patriótica

4-“Era um ruído que fazia rechinar a um os dentes e que [...]. começava o ódio”

Patrulha-as corpo de polícia encarregado de vigiar à gente através das janelas e varandas, valendo entre outras coisas, dos autogiros.

A seguir apresentassem-se vários exemplos em onde pode ser reforçado o exposto:

5- “Ao longe, um autogiro passava entre os telhados [...]. Era da patrulha encarregada de vigiar à gente através das varandas [...]”

Microfones são aparelhos que captam o som (semelhante ou igual aos que conhecemos atualmente).

A seguir apresentassem-se vários exemplos em onde pode ser reforçado o exposto:

6- “[...] por se talvez tinha algum microfone escondido”

Polícia do pensamento corpo de polícia especializado no seguimento pessoal daqueles indivíduos que mostram signos de luta interna, isto é, que apresentam signos evidentes de um desvio em sua conduta fazia o partido.

Este corpo “semeia” um médio atroz na população, já que, ser vigiado por ele, acarreta consequências muito graves, tais como trabalhos forçados durante muitos anos ou a morte, mais conhecida como “vaporización”. Disséssemos que este corpo de segurança “” se encarrega de perseverar o cérebro coletivo do estado, eliminando assim, aos possíveis dissidentes. Poderíamos comparar com um grupo de psicólogos, os quais utilizam diversos métodos para levar a cabo esse seguimento. São capazes de registrar todo os objetos que desejam, os deixando sempre na posição anterior ao registro.

Ademais, registram todas as palavras e ações bem como a conduta. Desempenham um papel fundamental no interrogatório das pessoas capturadas.

7- “[...]durante sete anos tinha estado vigiado pela Polícia do Pensamento[...]. todos seus atos[...], era registrados ou deduzidos pelo partido. Inclusive a motita de pó esbranquiçado que Winston deixava sobre a tampa de seu diário a tinham voltado a colocar cuidadosamente. Durante os interrogatórios fizeram-lhe...”

A personagem do livro ante todos estes fatos atua de uma forma contradictoria, já que vai na contramão das regras expostas pelo partido dominante, ao princípio começa a pensar que o que esta ocorrendo na sociedade este mau e decide se expressar da pouco, mas ao princípio mostra um temor por medo a perder a existência própria.

8-- “Durante algum tempo permaneceu contemplando estúpidamente o papel. A telepantalla transmitia agora estridente música militar. É curioso: Winston não só parecia haver perdido a faculdade de se expressar, senão haver esquecido de que se ia ocupar. Por espaço de várias semanas tinha-se estado preparando para este momento e não se lhe tinha ocorrido pensar que para realizar esta tarefa se precisasse algo mais que atrevimiento. O fato mesmo de expressar-se por escrito, achava ele, lhe seria muito fácil. Só tinha que transladar ao papel o interminável e inquieto monólogo que desde fazia mochos anos vinha correndo pela cabeça. No entanto, neste momento até o monólogo tinha-se-lhe secado.”

Neste fragmento mostra-se a luta interna que vive o protagonista, em desacordo com o Partido, mas que não pode expressar porque o matariam ou condenariam a trabalhos forçados por muitos anos. Este medo é o que lhe impede ordenar suas idéias e as expressar em seu diário a estrear.

2. Cit,(Capitulo VIII, Primeira Parte)

3. Cit, (Capitulo VIII, Primeira Parte)

4. Cit, (Capitulo I, Primeira Parte)

5. Cit, (Capitulo I, Primeira Parte)

6. Cit, (Capitulo I, Primeira Parte)

7.Cit. (Capitulo IV, Terceira Parte).

8.Cit.( Capítulo I Parte primeira,)

A trama do filme "Brazil" e a novela "1984" compartilham esta visão caótica e funesta de um futuro de dominação e vigilância continua. Em ambas, a personagem principal, quem já cometia anteriormente atos na contramão do sistema e o órden estabelecido, encontra o amor e deseja com todas suas forças poder escapar com ela a um local onde as normas dadas pelo governo de turno não existam.

Como é de se esperar, o totalitario Estado correspondente à cada uma das histórias consegue atingir ao casal herética correspondente, a submetendo a torturas, tanto físicas como psicológicas. Finalmente, eliminando a estas pessoas nocivas para o sistema.

Eleição do titulo do Trabalho:

“O Grande Irmão e uma lógica do pensamento contrária à do sentido comum como o vemos hoje em dia”, este titulo se deve a que o partido defende uma lógica contrária à que concebemos atualmente: isto é, opõe-se ao sentido comum como o vemos hoje em dia. Este nos permite uma vida em uma sociedade mais humana, já que está definido por normas morais baseadas no respeito aos direitos humanos, a aceitação dos sentimentos como parte da natureza humana, a tolerância, o respeito, a visão da diversidade de opiniões como algo desejável e beneficioso, etcétera. No entanto, que um ser humano apresentasse um sentido comum como o conhecemos hoje em dia suporia uma ameaça em uma sociedade baseada na manipulação de fatos evidentes, já que qualquer indivíduo que perceba dito fato (e pense que este não era condenable em absoluto) antes de ser manipulado, pode tomar consciência de dita manipulação e se voltar uma moléstia para um sistema de governo como o é o Partido, o que deseja uma “lógica móvel”, isto é, uma lógica que varie segundo a situação e cujo objetivo é o de privar à gente de opinião própria e assim obter o benefício de que a prevaleciente e única opinião é a sua. Não obstante, a imposição de dita lógica é algo muito difícil, já que o que é evidente se toma como verdade. Mas, mesmo assim, em 1984 esta imposição é possível mediante o doblepensar.

A sociedade que conhecemos na atualidade, felizmente, não se assemelha muito à que Orwell nos apresenta em 1984 “”, já que, a maioria dos sistemas governamentais existentes na atualidade são relativamente democráticos. Isto é, os indivíduos desfrutamos de uma relativa liberdade para dirigir-nos/dirigí-nos por uma determinada direção e decidir assim, o tipo de vida que desejamos. Esta a definimos a base de sucessivas decisões que vamos tomando livremente. Os seres humanos podemos ser capazes de aniquilar a qualquer ser semelhante para conseguir aquilo que desejamos com toda nossa alma. Podemos acusá-lo de feitos com que não cometeu, lhe deixar sem alimento, o torturar sem motivo e inclusive o condenar a morte. Na novela vemos como se acusam uns e outros de heresia, sabendo que aquele ao que acusam vai morrer. Este fato, parece-me que é um dos maiores pecados do mundo, já que um semelhante não tem direito a decidir sobre a vida de um semelhante seu.

Por último tenho de comentar a educação existente em ambas sociedades. Na novela vemos que os meninos recebem uma educação totalmente manipulada, a qual, se orienta única e exclusivamente para o partido. São seres preparados para uma total aniquilación de dissidentes. Em nosso caso, o objetivo da educação reside em introduzir à cada indivíduo no competitivo mundo trabalhista, embora às vezes, dita educação é manipulada pelos governos para impedir, por exemplo, o acesso à Universidade de certos indivíduos, ou/e para fins políticos.

Conclusão:

1984 Pareceu-me um livro interessante, mas é como que deixa à o leitor de alguma forma deprimido, já que a luta que tem o protagonista contra o sistema durante todo o livro, te dá esperanças de que ao final quando o fossem matar, morresse rebelde e odiando ao grande irmão, mas ao final o partido o vence e a sociedade fica igual, ou quiçá pior, porque as forças a cada vê vão ser mas fortes.

Mas apesar de tudo, é um livro que te faz abrir os olhos, em onde comenzás a te questionar se em realidade nós somos manejados de alguma maneira como essa sociedade, quiçá não da mesma maneira, mas manejados ao fim.

Apesar que não o queria ler porque a ciência ficção não gosto muito, poderia dizer que me retracto a de isso já que é um livro imaginário, mas que oculta muitas verdades que poderiam chegar a passar se não abrimos nossa mente para os que nos manejam… os de acima.

Bibliografia:

Novo Dicionário Enciclopédico Ilustrado, Larrousse, Segunda Edição 1989.

O Grande Irmão e uma lógica do pensamento contrária à do sentido comum como o vemos hoje em dia”