Agualuna; Joan Manuel Gisbert

Literatura espanhola contemporânea. Século XX. Narrativa. Novela infantil e juvenil. Argumento. Personagens. Escritor espanhol

  • Enviado por: O remetente não quer revelar o seu nome
  • País: Espanha Espanha
  • 3 páginas
publicidad
publicidad

AGUALUNA

É a história de uma rapariga, telefonema Amelia, a qual fugia dos povos do norte, ao contrair seus pais a peste e lhes ter queimado sua casa.

Decide marchar-se, junto de mais gente, mas no caminho a carreta rompe-se e Amelia

Decide seguir andando só. Cansada e sedenta vê um rio, decidindo acercar-se a beber

Nele, encontra a uma mulher chamada Bruna, (a qual era uma feiticeira) que lhe diz que se vá com ela a sua casa, Amelia aceita. Bruna tênia uma filha chamada Lila, à qual não lhe agrado a presença de Amelia em sua casa. Enquanto a rapariga subiu a descansar, as duas mulheres cochichavam sobre a boa sorte que lhes traria haver encontrado a esta rapariga.

Amelia não confiava em #dois mulheres e as achando dormidas, decide fugir. Ao chegar ao rio, as duas mulheres estavam ali .A rapariga com medo, observo que Bruna não estava enfadada com ela por se ter marchado de sua casa, e esta lhe disse que por essas terras era costume a ser batizada no rio e lhe disse que pensasse em um nome para lhes o mudar. Amelia ao ver a lua refletida no rio decide que seu nome séria AGUALUNA .Bruna diz-lhe “desde agora esse será teu nome, e será o colega de teu destino e de tua morte “. Com o qual Agualuna (Amelia) sente um terrível arrepio.

Lila observava à rapariga enquanto dormia, e em seus sonhos viu uma casa que ardia

Sombras na água, mas não acertava a saber o significado desse sonho. Bruna disse-lhe a sua filha que toda a vida que lhe ficasse por viver a Agualuna séria para ela, e lhe fez um sinal na em frente à rapariga.

Em um dia chega a casa de Bruna um ginete, fazendo-lhe perguntas sobre Agualuna, o motivo de suas perguntas, sobre a garota, devia-se a uma maldição de uma feiticeira já que todas suas desgraças se acabariam, quando encontrasse o amor de sua vida em uma rapariga ruiva.

Em um dia que Bruna mandava a Lila e a Agualuna tem buscar raízes, apareceu um mendigo pedindo comida e a feiticeira lha deu, o mendigo lhe conta que é um emissário de duque Julián e que se queriam as duas se marchariam a viver ao palácio, Bruna muito contente aceitou. Quando as duas raparigas chegaram, Bruna comando a Água lua a seu quarto, para lhe contar a Lila o ocorrido com o mendigo. Esta, se pôs zelosa da sorte de Água lua , mais tarde Lila e Bruna lhe contam à rapariga que o Duque Julián esta buscam pessoas às que a peste deixe órfãs , sem casa etc. ... para ir a seu palácio, ela se mostra ilusionada e aceita.

Entre Bruna e Lila decidem que Agualuna deve desaparecer, lhe cortam o cabelo com enganos, Lila se mete em um saco durante a viagem, já que o duque não sábia que ela venia, em um despiste do motorista atiram a Agualuna ao rio, e Lila se converte em Agualuna.

O duque a chama em coberta e ao ver as duas mulheres que este não notava a mudança se puseram muito contentes.

Bruna entra a trabalhar como cozinheira, enquanto aos ouvidos do duque se tinham visto figuras misteriosas no rio, garotas ruivas. Lila começou a ter medo, já que poderia ser o fantasma de Água lua. Enquanto a mãe seguia envenenando ao duque.

Julián decide que ele deve ver esse fantasma, e se leva às duas mulheres em uma barcaza,

Já que o duque suspeita de #dois mulheres. Junto deles iam seis remeros aos quais o duque tampava os olhos, para que o medo não lhes fizesse deixar de remar.

O encontro com uns pescadores faz ao duque seguir, para ver ao fantasma, mas a Bruna e Lila, o pânico a cada vez era maior, já que o duque as poderia descobrir em qualquer momento.

Pouco a pouco viram acercasse uma sombra sobre as águas, Bruna e Lila viram seu medo a cada vez mais perto, junto à rapariga fantasmal ia também, uma montanha, uma ilha flutuante onde apoiava os pés e uma grande mole que era a causante da agitação das águas.

O duque não duvidou mais, aquela silhueta de mulher com o cabelo avermelhado, era a rapariga do rio. Bruna quis-lhe falar e o duque mandou-lhe calar e que todo o que tinha que dizer o faria ante o conselho supremo. Uma vez chegado ali, Bruna começou a contar a história de que aquela rapariga que se aparecia no rio era sua filha, que morria quando era pequena, fingindo lágrimas e sollozos, que o duque não se achava. Enfrente dela puseram uma gaveta, e lhe mandaram o abrir. Qual foi a surpresa que encontrou dentro o saco no que sua filha tinha estado metida durante a viagem. A voz do duque surgiu, fazendo-lhe perguntas sobre quem ia no saco, onde estava e se a pessoa que estava dentro rea essa figura espectar que aparecia em rio. Toda a história se lhe veio a baixo a Bruna. Agualuna estava viva , ao cair ao mar uma baleia tinha-lha engolido ,mas mais tarde essa baleia tênia um local onde se refugiar e ali expulsou à rapariga, e observo que seus cabelos crescia muito rapidamente , a partir daí a união entre a baleia e Agualuna . Em um dia Agualuna viu que a mãe e a filha viviam no palácio e isto lhe pôs muito enfadada, e pensou que uma destas noites teria que regressar definitivamente.

A bruna e a sua filha Lila foram-lhe retirados todos os privilégios, vagavam ao redor dos muros do castelo, à espera da declaração de Agualuna, já que o duque estava disposto à encontrar. Pensou que à rapariga lhe tinha passado o mesmo que a Jonás, que lhe engolo uma baleia .O duque entrada a noite mando acender umas tochas, Agualuna viu-as então compreendeu que era o momento de voltar a calcar terra, mas segundo ia chegando a baleia a atirou à água e lha voltou a engolir, ao o ver Bruna se riu a gargalhadas.

O duque mando sacar todos seus barcos para salvar a Agualuna da baleia, mas esta se comunico com a baleia em sua linguagem para lhe dizer que lhe levasse de volta à praia.

Só poucas pessoa viram isto entre ela Bruna e Lila, que pensaram que o animal a tinha devolvido morrida. Lila disse a sua mãe que todo terminava, mas ela fazia questão de que o tinha feito para que se casasse com o duque, depois o matar envenenado e depois ser sua viúva, Lila ficou assombrada de toda a maldade de sua mãe e se foi separando dela, para não a ver mais. Enquanto Agualuna era atendida por médicos e serventes, o duque queria que se repusesse, para acusar à mãe e a filha ante o conselho supremo. A baleia tinha saudades a sua menina e seguia cerca da praia esperando que Agualuna voltasse.

Lila pensou que se falava com Agualuna, e lhe dissesse que não tinha nada que ver com sua desgraça a perdoaria, e entro no castelo para chegar a sua habitação, estando escondida ouviu com diziam que a baleia teriam que a matar e com Agualuna lhes disse que não, que o local onde vivia era precioso, ao escutar isto Lila pensou se fazer passar por Agualuna e que se meteu no mar mas ao longe se ouvia a voz de sua mãe lhe dizendo que não sobreviveria. Todas as palavras de sua mãe eram muda, e sem o esperar foi engolida pela baleia e Bruna achando sua filha morrida e pensada que também morreria tentativa escapar mas escorregou e cayo pelos riscos abaixo, mais tarde a encontraram morrida e com a mirada para o mar.

Mais tarde já recuperada, Agualuna foi educada para ser rainha, mas o duque Julián esperou tem que Agualuna fosse maior para lhe peçam que se casasse com ela já que a amava e terminar com a profecia.

Agualuna ainda seguia pensando em qual foi o destino de Lila, tempo depois chego a seus ouvidos que era resgatada uma rapariga do mar então pensou que Lila se tinha combinado com a baleia até sua morte, isto alegro muito a Agualuna.

Lila percorreu várias vezes os locais próximos ao palácio, mas não se atrevia a ir por medo a haver sido perdoada por Agualuna e embora as duas desejavam se ver nunca chegaram ao fazer.