Estados Unidos

NUTRICION E CANCER.

Importância da nutrição em pacientes oncológicos por:

  • Tolerância ao tratamento.

  • Melhor qualidade de vida.

  • Sobrevivência.

Componentes da dieta como possíveis fatores etiológicos:

  • PROTEINAS.

  • Dados contradictorios em estudos (benefício ou risco de diminuir proteínas da dieta).

    Provável relacionamento de dieta rica em proteinas de carnes vermelhas com câncer de próstata e cólon.

  • GORDUROSAS Ou LIPIDOS.

  • Relacionamento de câncer de mama em mulheres pós-menopáusica.

    Um estudo em marcha em dieta baixa em lípidos e rica em frutas e verduras diminui o nível de estrógenos em mulheres com câncer de mama.

  • ÁLCOOL.

  • Importante carcinógeno em tumores de cabeça e pescoço ou esófago.

    Consumo elevado de cerveja relacionado com o câncer cólon-rectal.

    Relacionamento com câncer de mama por acréscimo de estrógenos endogenos.

    Associado o álcool e o fumo produz efeito sinérgico e relacionamento álcool-nutrição.

  • CAFÉ E LE.

  • Não se encontraram relacionamento claro com o aparecimento de câncer.

    O consumo de bebidas muito quentes predispone ao câncer de esófago.

    O consumo de te verde parece ter efeitos protetores (antioxidantes).

  • EDULCORANTES ARTIFICIAIS.

  • Ciclamato e sacarina. Atualmente não são considerados fatores etiológicos.

    Aspartamo não tem relacionamento com o desenvolvimento de neoplasias.

  • NITRATOS, NITRITOS E NITROSAMINAS.

  • Nitrato passa a nitrito por reações químicas de saliva-a, estomago, cólon e vejiga, por oxidación.

    Produz-se a metahemoglobina que não deixa que o oxigeno se separe dela.

    Nitritos mais Aminas/Amidas misturam-se no organismo e produz-se Nitrosamidas e Nitrosaminas.

  • PROCESSADO DE ALIMENTOS.

  • Contaminação por hidrocarbonetos aromáticos policiclicos (benzopirenos) e aninas aromáticas heterociclicas.

    Demonstrado acréscimo de risco de câncer de estomago e esófago.

    Produzidas em combustão de carvão em hidrólisis proteicas em assados, frituras e ahumados de carne.

  • AFLATOXINAS.

  • Micotoxinas do Aspergillus flavos.

    Amendoins, milho, nozes, sementes, legumes, etc.

    Produz câncer hepático em animais, não demonstrado em humanos.

    Evitar alimentos enmohecidos e controle sobre as colheitas.

    COMPONENTES DA DIETA COMO POSSÍVEL FATOR PROTECTOS DO CANCER:

    • FIBRA.

    Protege do aparecimento do câncer de cólon.

    Provável efeito protetor também em câncer de reitor e mama.

    • FRUTAS E VERDURAS.

    São protetores há estudos que demonstram o risco de desenvolver um câncer (exceto de próstata) em dietas pobres em frutas e verduras.

    Seu mecanismo protetor parece ser a presença de anticarcinogenos.

    • Vitamina C e E.

    • Selenio.

    • Fibra alimentária.

    • Antioxidantes como bitioltionas, glucosinolato e indes.

    Efeito de fitoestrogenos na soja.

    TRANSTORNOS NUTRICIONAIS EM PACIENTES COM CANCER.

    CAQUEXIA / ANOREXIA TUMORALES.

    Até em um 70% dos pacientes com câncer.

    Relacionamento com um 25% das mortes.

    Consta de: perdida de importância, anorexia, anemia, nauseas e inmunosupresion.

    Correlação inversa com sobrevivência.

    Implica pior tolerância e resposta ao tratamento e pior qualidade de vida.

    Disbalance anabólico/catabólico com prevalência do último.

    ANOREXIA.

    Componente universal da caquexia tumoral e consequência desta.

    Contribui ao desgaste sofrido pelos doentes.

    A caquexia e a anorexia tumoral relacionam-se com o neuropeptido E. Todos os problemas se produzem no hipotálamo.

    As alterações metabólicas da síndrome de caquexia tumoral são parecidas à produzida nos processos inflamatorios crônicos, com desgaste do músculo esquelético e tecido adiposo enquanto outros órgãos como o hígado, rins ou suprarrenales podem aumentar de importância.

    Apoio farmacológico com:

    • Complementos/suplementos alimentícios.

    • Estimulando-lhes do apetito.

    TRATAMENTO DO CANCER

    • NAUSEAS E VOMITOS.

        • Alimentos frios ou a temperatura ambiente.

        • Comidas frequentes e escassas.

        • Evitar alimentos ácidos, fritados ou gordurosos.

        • Caldos, sucos, leite ou infusões, contribuindo assim hidratación ao paciente.

        • Fármacos como metoclopeamina, corticoides, neurolépticos.

    • DIARREIA.

        • Abundante rehidratación do paciente mediante líquidos como limonada alcalina, soro oral, bebidas isotónicas.

        • Comidas frequentes e escassas.

        • Evitar alimentos ricos em fibra não soluble.

        • Dieta astringente.

        • Em enteritis radica toleram-se melhor alimentos triturados ou em purês.

        • Só diminuir as gorduras na dieta se se demonstra estreatorrea (gordura em fezes).

    • PRISÃO DE VENTRE.

        • Abundantes líquidos na dieta.

        • Abundante fibra não solubles

        • Suplementos de fibra de salvado ou preparados a base de fibra.

        • Desenvolvimento de hábitos regulatórios e acréscimo de atividade física.

    • MUCOSITIS.

        • Evitar irritantes.

        • Evitar frio e calor.

        • Consistência aceitável como triturados.

        • Se a dieta é insuficiente suplementos comerciais ou caseiros enriquecidos.

        • Se não tolera sólidos, preparados comerciais que assegurem o correto contribua nutricional.

        • Fármacos como AINEs, esteroides, antibióticos.

    • XEROSTOMIA.

        • Alimentos de consistência macia e jugosos.

        • Hidratación escassa mas muito frequente.

        • Masticación de chiclete entre as comidas.

        • Boa higiene bucal e cepillado antes da cada comida com escova branca.

        • Pilocarpina, moléculas em estudo.

        • Preparados salinos para enxaguaduras bucales.

    VALORACION DO ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE ONCOLOGICO.

    • ANAMNESIS.

      • Peso antes da doença.

      • Perdidas de importância total e tempo (5% em um mês ou 10% em 6 meses implica desnutrição grave)

    • EXPLORACION FISICA.

      • Exame físico do paciente.

      • Descrição de achados físicos derivados do tumor.

    • ESTUDO DIETETICO.

      • Conhecimento de hábitos dietéticos do paciente e por tanto da ingesta energética e de nutrientes.

      • Comprar as ingestas do paciente com as teóricas e julgar seu estado nutricional.

    Métodos de estudo dietético:

    • Entrevista dietética.

    • Questionário de frequência de consumo de alimentos.

    • Contagem da ingesta de 24 horas.

    • História dietética incluindo questionário de frequências e contagem de ingesta de 24 horas.

    ESTUDO ANTROPOMETRICO.

    IMC

    CLASIFICACION.

    < 20 Kg/m2

    Déficit ponderal.

    20 -25 Kg/m2

    Valores normais.

    25 -30 Kg/m2

    Sobrepeso ou obesidade de primeiro grau.

    30 - 40 Kg/m2

    Obesidade de segundo grau.

    > 40 Kg/m2

    Obesidade de terceiro grau.

    OUTROS ESTUDOS ANTROPOMETRICOS.

    • CIRCUNFERENCIAS CORPORALES.

      • Circunferencia craniano (só em meninos).

      • Circunferencia braquial (braço).

      • Circunferencia da cintura.

      • Circunferencia do muslo.

      • Circunferencia do quadril.

      • Circunferencia da pantorrilla.

    Há umas tabelas para comparar o que obtivemos e conhecer se esta dentro das margens.

    • DOBRAS CUTANEOS.

      • Tríceps.

      • Escapula.

      • Bíceps.

      • Crista iliaca.

    VALORACION CLOBAL SUBJETIVA (VGS- GP)

    É um questionário de umas duas folhas. O primeiro é a preencher pelo paciente e o segundo pelo medico.

    Há uma pontuação: A, B e C e dá-nos a valoração nutricional do paciente, e também dá o grau de impacto da doença sobre o estado nutricional do este (é um valor numérico).

  • Bem nutrido.

  • Moderadamente malnutrido (dar-lhe conselhos dietéticos).

  • Severamente malnutrido (atuar sobre a nutrição urgentemente).

  • NUTRICION ARTIFICIAL

      • NUTRICION ENTERAL.

        • Passo de alimentos por sondas ao tracto digestivo inferior.

        • Útil se existe alterações em boca, reflujos deglutorios ou esófago.

        • Precisa ter o estomago e o intestino funcional

        • Administração de preparados comerciais.

        • Gastrectomía: Ao estomago.

        • Enterostomía: ao duodeno.

        • Administração contínua ou em determinadas tomadas ao longo do dia.

      • NUTRICION PARENTERAL.

        • Administração de nutrientes diretamente à torrente sanguíneo.

        • Em pacientes com impossibilidade para a ingesta oral e nutrição enteral que mantenham esta situação mas de 7-10 dias.

        • Hospitalizados ou em domicílio.

      • FORMULA INMUNOMODULADORAS.

    CONTRAINDICACIONES.

    ENTERAL.

    • Tracto gastrointestinal não funcionante.

    • Malabsorcion

    • Obstrução mecânica.

    • Diarreia severa.

    • Hemorragia severa.

    • Vômitos.

    • Fístulas gastrointestinal.

    • Pronostico ominuo.

    PARENTEAL.

    • Necessidades >7 dias.

    • Pronostico ominuo (<40 dias).

    • Acesso venoso não possível.

    • Instabilidade hemodinámica.

    • Alterações metabólicas.

    Para acessar o documento na íntegra, nós convidamos você a fazer o download do documento.
    Descarregar
    56 Kb
    Compartilhar este documento :

    Não há comentários para mostrar.

    Crie uma conta ou entre para comentar

    Você precisar ser um membro para fazer um comentário

    Criar uma conta

    Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


    Crie uma nova conta

    Entrar

    Já tem uma conta? Faça o login.


    Entrar Agora
    ×